Carregando...
Desmistificando os Medos de Recessão com a Queda dos Lucros do 2T
11 mêss atrás por Adrian Müller

Lucros do Segundo Trimestre dos EUA em Declínio, Mas Medo de Recessão Pode Estar Exagerado

O cenário econômico dos EUA, demonstrando uma resiliência inabalável nos tempos recentes, está dividindo os analistas financeiros do país sobre uma recessão iminente - um dos tópicos mais debatidos na história financeira recente.

A próxima onda de relatórios de lucros corporativos do segundo trimestre poderá fornecer aos investidores informações adicionais sobre se essa desaceleração econômica muito discutida está, de fato, iminente ou se é apenas uma previsão especulativa.

No entanto, o desempenho robusto da economia dos EUA confundiu a interpretação, deixando os analistas lutando com a probabilidade de uma desaceleração econômica. Apesar das projeções de declínio nos lucros corporativos do segundo trimestre, essa queda não sinaliza necessariamente o início de uma recessão amplamente esperada. O vigor econômico do país, demonstrado pelos lucros do primeiro trimestre que superaram confortavelmente as expectativas, mostrou que a situação atual está longe de ser sombria.

Impulsionada pelos bons resultados do primeiro trimestre, em que os lucros corporativos superaram as estimativas dos analistas e a economia dos EUA cresceu ao dobro da taxa inicialmente projetada pelo governo, os resultados do segundo trimestre parecem minimizar a ameaça imediata de uma recessão. A previsão da Refinitiv é de que o lucro líquido agregado das empresas listadas no índice S&P 500 caia 6,4% no segundo trimestre. No entanto, essa estimativa esconde a vitalidade inerente em vários setores econômicos.

De acordo com a Refinitiv, os lucros em oito dos 11 setores do S&P 500 devem superar a projeção geral do índice, com cinco setores esperando alcançar ganhos de 2% ou mais. Por outro lado, o setor energético, que registrou fortes aumentos de lucro no segundo trimestre do ano anterior devido aos preços explosivos do petróleo e gás após a invasão da Ucrânia pela Rússia, deve reduzir os lucros do índice geral, com a Refinitiv estimando uma queda de cerca de 46% nos lucros do setor. Desconsiderando o setor energético, prevê-se que os lucros do S&P 500 permaneçam em linha com os do primeiro trimestre.

Uma atmosfera de otimismo prevalece, com empresas esperando apresentar uma perspectiva mais positiva do que em trimestres anteriores. As condições comerciais são presumidas terem sido mais fracas em março-abril, com melhorias observadas em maio e junho, e esse momentum ascendente previsto para continuar em julho. No início do ano, os economistas previam amplamente uma recessão, chegando a colocar as chances em 70%. No entanto, essa fragilidade econômica prevista ainda não se manifestou, devido ao crescimento contínuo nos gastos do consumidor e a um mercado de trabalho robusto.

Ainda assim, o J.P. Morgan, em sua perspectiva de mercado dos EUA para o segundo semestre, prevê uma leve recessão ainda este ano ou no início do próximo, corroborada pelo plano do Federal Reserve de aumentar as taxas de juros mais duas vezes este ano. No entanto, o Bank of America tem uma visão diferente, acreditando que as empresas que divulgarão seus resultados do segundo trimestre nas próximas semanas podem destacar uma economia em fortalecimento, e não em recessão. Essa disputa de projeções econômicas marca um período intrigante para o mercado financeiro.

Perguntas Frequentes

Como devo negociar com base nas notícias de queda nos lucros do 2T?

Embora a queda nos lucros do 2T possa parecer preocupante, lembre-se de que vários setores ainda mostram forte resiliência. Considere diversificar sua carteira e prestar atenção aos setores com potencial de crescimento.

O que uma tendência de queda nos lucros do 2T significa para os traders?

A queda nos lucros do 2T pode criar volatilidade a curto prazo no mercado, oferecendo possíveis oportunidades para comprar a preços mais baixos. No entanto, lembre-se de que as condições do mercado podem mudar rapidamente, portanto, tome decisões com base em pesquisas detalhadas.

A queda nos lucros do 2T é um sinal definitivo de uma recessão iminente?

Não necessariamente. Embora uma redução nos lucros possa ser uma preocupação, diversos outros indicadores, como gastos do consumidor e condições do mercado de trabalho, também desempenham um papel crítico na determinação da saúde da economia.

Como os investidores podem interpretar as visões divergentes de instituições financeiras como J.P. Morgan e Bank of America?

Visões divergentes entre instituições financeiras ilustram a complexidade das previsões de mercado. Como investidor, é crucial considerar diferentes pontos de vista, mas, em última análise, tomar decisões com base em sua tolerância ao risco e objetivos de investimento.


  • Compartilhe este artigo
Adrian Müller
Adrian Müller
Autor

Adrian Müller é um experiente analista financeiro e escritor apaixonado. Ele passou mais de uma década navegando no labirinto das finanças, aprimorando sua expertise em investimentos, economias e análise de mercado. Adrian é conhecido por seus comentários perspicazes sobre estratégias de investimento e por seu olhar aguçado na identificação de possíveis mudanças de mercado. Suas especialidades incluem ações, ETFs, análise fundamental e técnica e a economia global. Fora do mundo das finanças, Adrian gosta de corridas de longa distância e de explorar a culinária mundial. Na Investora, Adrian fornece artigos aprofundados que servem para guiar investidores novos e experientes para decisões de investimento informadas e bem-sucedidas.


Descubra Artigos Relacionados